60% das causas de cegueira infantil são evitáveis

O último levantamento do Conselho Brasileiro de Oftalmologia aponta que 43% das crianças cegas no mundo perderam a visão por causas evitáveis ou tratáveis. Os conhecimentos médicos já permitem a prevenção ou o tratamento efetivo de pelo menos 60% das doenças que cegam crianças. “Muitos pais deixam para buscar suporte oftalmológico em estágios avançados de doenças. Os menores sinais podem revelar muito sobre a saúde ocular da criança.

O diagnóstico precoce é fundamental para um tratamento efetivo”, esclarece o oftalmologista Mario Jampaulo.
As causas evitáveis são aquelas que podem ser totalmente prevenidas ou tratadas para preservar a visão da criança.

Em todas as etapas da infância, a criança está sujeita ao aparecimento de problemas oftalmológicos e é fundamental a atenção dos pais aos menores sinais de irregularidades.

Sala do parto

Desde o nascimento, a criança deve passar por exames para identificar algum problema ocular. “Após o parto, todo pediatra deve realizar o teste do olhinho. É lei. O médico foca uma luz em frente ao olho do bebê e verifica se há um reflexo vermelho vindo do fundo do globo ocular do recém-nascido. Se o olho reflete a luz vermelha, o olho da criança está sadio”, explica o oftalmologista. O teste do olhinho denuncia desde catarata congênita, tumores até possíveis alterações embrionárias.

Até 2 anos

Outros sinais, perceptíveis aos pais no dia-a-dia, podem indicar que a saúde ocular do bebê não está bem. Por exemplo, um lacrimejamento excessivo pode sinalizar desde uma obstrução do canal lacrimal até um glaucoma congênito. Os pais devem levar a criança a um oftalmologista para uma avaliação mais criteriosa se observarem esta situação.

Entre 2 e 5 anos

Nesta fase da vida, costuma surgir o estrabismo acomodativo. “O estrabismo consiste na diferença de alinhamento entre os olhos e pode afetar a qualidade da visão. Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico, maior o sucesso do tratamento uma vez que o dano causado a visão só é reparado até os oito anos de idade. A partir dessa idade, o sistema neurológico-visual já está desenvolvido e não permite mais correções dessa natureza”, esclarece.

O tratamento contra estrabismo é simples e eficaz, inicialmente consiste em tampar o olho sadio para estimular a visão do estrábico. “Além do tampão, dependendo do caso, os oftalmologistas podem recorrer ao uso de óculos e até cirurgia para corrigir os desvios oculares”, completa.

Entre 5 e 7 anos

O início da idade escolar também deve servir como referencial para pais e professores ficarem atentos aos problemas de refração que as crianças possam apresentar. “O desinteresse pela aula e a dificuldade de aprendizagem devem servir de alerta aos pais e professores. É muito importante que as instituições de ensino façam avaliações de rotina para identificar possíveis problemas refrativos.

Além disso, os pais devem levar as crianças para uma consulta oftalmológica antes do início das aulas. Problemas como miopia (dificuldade para enxergar de longe), hipermetropia (dificuldade para enxergar de perto) e astigmatismo (imagem se forma em mais de um ponto na retina) podem afetar o desempenho escolar das crianças”, alerta Jampaulo.

Entre 13 e 20 anos

Durante a pré-adolescência e a puberdade, as pessoas estão mais sujeitas ao aparecimento do ceratocone, irregularidade que acomete uma a cada duas mil pessoas. “O ceratocone é uma irregularidade não-inflamatória, às vezes estimulada pelo hábito de coçar os olhos em excesso levando a córnea a sofrer mudanças em sua estrutura, obtendo o formato de cone”, explica o médico.

Os sintomas do ceratocone muitas vezes não são percebidos. “O adolescente não sente dor ou sequer lacrimeja, mas apresenta uma forte sensibilidade à luz e uma baixa qualidade de visão, mesmo utilizando óculos”, esclarece. O ceratocone não tem cura nem a córnea volta a seu estado original, mas os tratamentos disponíveis conseguem corrigir os altos graus de astigmatismo, estabilizar o problema e reduzir a deformidade da córnea. “Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, mais eficaz é o tratamento”, salienta o médico. Astigmatismo, hipermetropia e miopia também ocorrem com freqüência nesta faixa etária.

Fonte: Portal HOB

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Inscreva-se na newsletter e receba todas as novidades

    LEIA MAIS PUBLICAÇÕES

    Doenças genéticas da retina e do nervo óptico – Em busca de respostas

    As doenças genéticas tomadas individualmente são raras, porém em conjunto, são responsáveis por um número significativo …

    Jovem com daltonismo reaprende a ver o mundo

    Essa é a história do Marcos, um jovem daltônico que levou muito tempo para descobrir essa deficiência. Isso acarretou al…

    Catarata: Dr. José Beniz esclarece como é o tratamento

    Dr. José Beniz Neto explica sobre as situações que afetam a visão e estão ligadas às especialidades de córnea e catarata…

    confira nosso instagram

    Av. T-2, n 401 - Setor Bueno
    CEP 74.210-010 - Goiânia - GO CNPJ: 00.250.178/0001-90

    Horário de Funcionamento

    Segunda a sexta das 08h às 18h – Atendimento de Urgência 24h

    Redes Sociais

    CBCO – Hospital de Olhos:

    Responsável Técnico: Dr. Arnaldo Cialdini – CRM/GO 5526 – RQE 949

    © Copyright 2021 | CBCO - Todos os direitos reservados.

    Fale Conosco Agora!