Degeneração Macular: Rumo ao fim da Cegueira

Médicos anunciam sucesso em primeiro implante de células-tronco na retina.

A matéria começou citando uma nova cirurgia que promete devolver a visão a quem sofre da “cegueira da idade”: a forma mais grave da degeneração macular relacionada à idade (DMRI).
esquema do olho
No Brasil, segue também uma pesquisa junto à UFG (Universidade Federal de Goiás) no Centro de Referência em Oftalmologia e o foco tem sido também no tratamento da “cegueira da idade”. Esse procura ser o primeiro passo para o tratamento das cegueiras.
Para o Prof. Dr. Marcos Ávila, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e professor da UFG, o risco de as células-tronco implantadas trazerem alguma complicação para o paciente é pequeno. Ele, que também é professor da Universidade Federal de Goiás, afirmou que “antes de começar a implantação em seres humanos, foram feitos muitos testes pra ver a viabilidade e a segurança. Pode não se tratar da cura definitiva porque as células visuais também são afetadas pela DMRI e, não apenas as células do epitélio pigmentar. Mas o procedimento dá um controle biológico melhor. O paciente até pode continuar com a doença no olho, mas não terá sintomas, a sua visão será mais apurada. Quando for confirmada a cura de algum tipo de perda visual, como a causada pela DMRI, será uma revolução para a Humanidade”.
O Prof. Dr. Marcos Ávila explica que, como a cirurgia desenvolvida pelos cientistas britânicos trata apenas da criação de células do epitélio pigmentar a partir de células-tronco, não serve para o tratamento de outros tipos de cegueira. E completa que, no caso da cegueira causada pelo glaucoma por exemplo, seria preciso um implante de células oculares e não do epitélio pigmentar, assim como quem tem descolamento de retina, que não vai ser curado por esse tratamento.

Entenda como foi o procedimento do projeto de Londres com células-tronco

A cirurgia foi realizada em agosto de 2015 por médicos britânicos em uma paciente de 60 anos, voluntária no projeto. O sucesso refere-se a não haver complicações no mesmo ano. O pós-operatório tem o acompanhamento pela equipe, que espera determinar um resultado em termos de recuperação visual até o final do ano.
No procedimento, foi implantado na parte de trás da retina, células tronco-embrionárias que foram transformadas em células do epitélio pigmentar da retina, o tecido que fica sob a mácula e é prejudicado pela DMRI. É no epitélio pigmentar que ficam os fotorreceptores da mácula, isto é, as células responsáveis por captar a luz e formar as imagens. Há dois tipos de células fotorreceptoras:
ilustração da experiência de células tronco na retina
os cones – permitem a visão central;
os bastonetes – ligados à visão periférica.

Quando a mácula começa a se degenerar (DMRI), as células cones são as mais afetadas, o que faz com que os pacientes passem a enxergar um borrão escuro no centro da visão.
No total, dez pacientes com a doença deverão participar do estudo ao longo de 18 meses. Todos os voluntários têm a forma “molhada” da DMRI, forma mais severa da doença.

Entenda o que é a DMRI – Degeneração Macular Relacionada à Idade

A DMRI possui duas formas: a úmida e a seca. A DMRI úmida é menos comum que a forma seca mas é mais severa. O conceito de úmida e seca é baseado na forma como o oftalmologista vê a mácula quando examina o olho.
Os atuais tratamentos para a DMRI não são capazes de promover a cura definitiva. Para a forma seca, que é mais leve, são usadas medicações antioxidantes com vitaminas e sais. Para a forma úmida, são injetadas no olho, substâncias angiogênicas, que impedem o crescimento de vasos sanguíneos no olho, os causadores de danos às células fotorreceptoras. Em casos muito severos, são necessárias injeções mensais.

imagem normal e imagem vista com DMRI
Além da idade, fatores como tabagismo, hábitos alimentares que incluem muita gordura, exposição em excesso a raios ultravioleta e a genética são essenciais para determinar quem vai desenvolver a doença. Quanto mais velho, mais chances de ter a doença.

Fonte: O jornal “O globo” divulgou em 30 de setembro de 2015.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Inscreva-se na newsletter e receba todas as novidades

    LEIA MAIS PUBLICAÇÕES

    De olhos bem abertos – Matéria de “O Popular”

    Apesar de ainda pouco conhecida, ptose palpebral exige atenção e pode interferir na qualidade da visão devido à queda da…

    Porque saímos com olhos vermelhos nas fotos

    Quando o flash da câmera é disparado, as pupilas não têm tempo suficiente para reagir e contrair, permitindo a entrada d…

    Tablets, videogame e smartphones fazem mal aos olhos?

    O nosso dia a dia mudou muito ao longo dos últimos anos. Hoje, é praticamente impensável viver sem tecnologias facilitad…

    confira nosso instagram

    Av. T-2, n 401 - Setor Bueno
    CEP 74.210-010 - Goiânia - GO CNPJ: 00.250.178/0001-90

    Horário de Funcionamento

    Segunda a sexta das 08h às 18h – Atendimento de Urgência 24h

    Redes Sociais

    CBCO – Hospital de Olhos:

    Responsável Técnico: Dr. Arnaldo Cialdini – CRM/GO 5526 – RQE 949

    © Copyright 2021 | CBCO - Todos os direitos reservados.

    Fale Conosco Agora!