Córnea e Refrativa

esquema da córnea no olhoA Cirurgia Oftalmológica por laser é uma das mais importantes contribuições para a oftalmologia nos últimos tempos. O laser pode ser usado em várias partes do olho e tem ajudado a tratar diversas doenças oculares.
A Cirurgia Refrativa é o nome dado às cirurgias para corrigir miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. A visão nítida é resultado da focalização das imagens na retina, tão logo passem através dos meios transparentes do olho (córnea,aquoso,cristalino e vítreo) transformando-se em impulso nervoso que é, então, transmitido ao cérebro. Quando a imagem não é focalizada sobre a retina, a visão não é nítida, estabelecendo-se, assim, os diferentes erros de refração.

 

Os erros de refração

Miopia:

Dificuldade para enxergar longe. Afeta cerca de 25% da população. Normalmente, a miopia ocorre devido a um globo ocular muito comprido. Dessa maneira, as imagens dos objetos localizados à distância, convergem para um ponto focal antes de alcançar a retina e formam-se de maneira borrada, produzindo baixa visual que será proporcional
à gravidade do problema.

Hipermetropia:

Dificuldade para enxergar de perto. A hipermetropia é o contrário da miopia, ou seja,
a imagem dos objetos é focada atrás da retina.

Astigmatismo:

Dificuldade para enxergar de longe ou de perto, conforme se associe à miopia ou à hipermetropia .O astigmatismo é uma deformidade na curvatura da córnea, causando o foco de uma imagem em um eixo mais próximo e num outro eixo mais distante da retina.

Presbiopia:

Dificuldade para enxergar de perto, devido a idade (vista cansada)

Sintomas dos erros de refração

A visão é diminuída, há desconforto ocular e dores de cabeça, além de lacrimejamento e ardor nos olhos. O uso de óculos ou lentes de contato normalmente é suficiente para fazer desaparecer os sintomas.

As diferentes técnicas cirúrgicas

LASIK – O Laser é aplicado nas camadas intermediárias da córnea, sendo a camada superficial preservada na forma de uma lentícula que será recolocada imediatamente após a aplicação. Em geral, não há necessidade do uso de lente de contato terapêutica no pós-operatório como no PRK.
O tempo de aplicação é inferior a 2 minutos por olho, corrigindo até 14 graus de miopia, até 6 graus de hipermetropia e até 7 graus de astigmatismo. A cirurgia é realizada, geralmente, nos dois olho ao mesmo tempo.
O paciente vai para casa imediatamente após o procedimento, usando apenas óculos escuros ou protetores de plástico transparente.

esquema da cirurgia lasik

PRK – É uma abreviação de Photorefractive Keratectomy, que é o mesmo que Ceratectomia-Fotorefrativa. Atualmente, é utilizada para corrigir pequenos graus de miopia ou astigmatismo. Nesta técnica, o cirurgião programa o Laser para vaporizar camadas superficiais de tecido corneano.
Com a mudança da curvatura da córnea, os problemas de foco são reduzidos ou eliminados. O tempo de cicatrização é de aproximadamente 3 a 4 dias.

esquema da cirurgia prk

PTK – É uma técnica de Fotoablação Terapêutica com Laser indicada em leucomas superficiais (manchas brancas na córnea) e imperfeições de superfície. A cirurgia é feita com anestesia tópica e tem duração máxima de 5 minutos. Após o ato cirúrgico, não há necessidade de curativos, embora seja necessário o uso de lentes de contato terapêuticas.

Quem pode fazer a cirurgia refrativa

A cirurgia é indicada para pessoas a partir dos 18 anos, quando é esperada a estabilização do grau.
Após os 40 anos, somam-se ao grau de longe e de perto (presbiopia ou vista cansada), devendo-se considerar nesse caso, a possibilidade do uso de óculos para leitura. Pode-se, ainda, fazer cirurgia em báscula (um olho para longe e outro para perto), o que possibilita menor dependência de qualquer tipo de correção.
Na avaliação pré-operatória, além da consulta oftalmológica normal, serão realizados alguns exames complementares mais específicos para afastar
a possibilidade de haver alterações ou degenerações oculares que contra-indiquem a cirurgia.

Contra-indicações para a cirurgia refrativa

Algumas pessoas não podem se submeter à cirurgia, caso apresentem:

  • Doenças oculares infecciosas em atividade (conjuntivite, blefarite, ceratite, úlcera de córnea, etc);
  • Ceratocone, que é uma deformidade da córnea de origem, geralmente, familiar. No caso dessa patologia, é indicado o uso de lentes de contato, cirurgia de Corneal Ring (anel corneano) ou mesmo o transplante de córnea.

Procedimentos pré-cirúrgicos na cirurgia refrativa

A avaliação pré-operatória é feita através da consulta oftalmológica completa, que inclui os exames de refratometria (avaliação do grau), tonometria (medida da pressão intra-ocular), mapeamento da retina e o estudo detalhado das condições da córnea, através de exames complementares: topografia corneana (mapa do relevo anterior e posterior da córnea – ORBSCAN II Z), paquimetria ultrasônica da córnea (medida da espessura corneana), microscopia especular corneana (contagem das células da camada posterior da córnea) e quando necessário a aberrometria baseada na análise da frente de onda – ZYWAVE II – que identifica e quantifica aberrações ópticas de até 5ª ordem, para que possam ser realizadas cirurgias personalizadas da córnea – ZYLINK.

Recomendações pré e pós-cirúrgicas na cirurgia refrativa

Antes da cirurgia, o paciente deve suspender o uso das lentes de contato. No pós-operatório com a aplicação do LASIK, não existe necessidade do uso de nenhum tipo de curativo.
Na técnica de PRK, há a necessidade do uso de lentes de contato gelatinosas terapêuticas durante 5 dias, período em que ocorre a re-epitelização da área tratada.

esquema do transplante de cornea

O que é o Transplante de córnea

É a cirurgia de reposição da cobertura transparente do olho (córnea) danificada e com perda da transparência.

O transplante de córnea é realizado com o paciente em estado consciente e livre de dores (anestesia local). Remove-se a córnea danificada e sutura-se um enxerto corneano no local.

As doações de tecidos para o transplante de córnea são feitas por pacientes em estado próximo à morte e mantidas em um “banco de olhos”. Ainda que, na maioria dos casos, os tecidos transplantados corram o risco de ser rejeitados pelo organismo por serem considerados “material estranho”, o suprimento de sangue da córnea, por ser muito limitado, reduz em muito este risco, fazendo com que a maior parte dos transplantes apresente ótimos resultados durante muitos anos.

Indicações do transplante de córnea

Recomenda-se o transplante de córnea em caso de:

  • infecção, lesão, dano ou marcas por cicatriz graves da córnea;
  • córneas que não mais possibilitem a passagem da luz (opacas).

Gostou da matéria ou tem alguma dúvida? Deixe abaixo seu comentário.


Outras Especialidades

25/02/2016
Neuro-oftalmologia
12/08/2015
Visão Subnormal
29/02/2016
Oncologia Ocular
Direitos de Uso | Todos os direitos reservados © 2016 - CBCO